ANGOLA: Dois dirigentes do Benfica suspensos por pagarem 9.200 euros a árbitra

Dois dirigentes do Benfica de Luanda suspensos por pagarem 9.200 euros a árbitra

Dois vice-presidentes do Sport Benfica e Luanda foram suspensos por seis anos, por decisão do conselho de disciplina da Federação Angolana de Futebol (FAF), o mesmo acontecendo com uma árbitra, a quem pagaram 9.200 euros para falsear resultados.

A decisão consta de um comunicado da FAF, a que a agência Lusa teve hoje acesso, dando conta de que o conselho de disciplina considerou finda a tramitação do processo envolvendo Carlos Brecha de Carvalho e Mário Baptista da Rocha, ambos à data (2014) vice-presidentes do Sport Benfica e Luanda.

Para o conselho de disciplina, foi dado como provado que os dois vice-presidentes, na época desportiva de 2014 (27 de fevereiro), ordenaram um depósito na conta bancária da árbitra Marximina Luzia Bernardo, no montante de 1.250.000 kwanzas (9.200 euros à taxa de câmbio de então), antecedendo um jogo do clube.

O depósito, segundo o comunicado da FAF, foi feito com a designação “operação de charme”, quando “na verdade se destinava ao pagamento da referida árbitra para poder obter em trocar resultado falseado de jogo”.



“Factos devidamente provados através de e-mails enviados pelos participados, depósitos bancários a favor da referida árbitra e declarações dos intervenientes constantes nos autos, figurando claramente tais atos atentatórios à verdade desportiva e ao princípio da legalidade, bem como das regas de jogos”, lê-se no comunicado da FAF.

À data, o Benfica de Luanda disputava o Girabola, principal campeonato angolano de futebol, e nesse mesmo ano conquistou o último título, a Taça de Angola, dois anos antes de a crise financeira levar a direção a acabar com a equipa profissional.

A equipa terminou a época de 2014 ainda num histórico terceiro lugar no Girabola.

Além de punir Carlos Manuel Brecha de Carvalho e Mário Baptista da Rocha como seis anos de suspensão e o pagamento, cada um, de uma multa, em kwanzas, equivalente a 5.000 dólares, o conselho de disciplina suspendeu Marximina Luzia Bernardo de atividades desportivas por três anos, “por prática de corrupção e falsificação de resultado”, para “favorecimento do Sport Luanda e Benfica”.

“Uma vez que recebeu ainda outros pagamentos dos participados”, conclui a deliberação da FAF, com data de 18 de abril.

SIC



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *