MITESS quer padronizar informação sobre mercado do trabalho

No âmbito da concepção e desenvolvimento da plataforma de gestão do Sistema de Informação do Mercado do Trabalho (SIMT), o Ministério do Trabalho, Emprego e Segurança Social (MITESS) reuniu-se na quinta-feira, 26 de Abril, com diversas fontes relevantes para o mercado de trabalho com vista à padronização dos mecanismos que garantem a sustentabilidade da disponibilidade de dados.

A reunião faz parte de um conjunto de acções que têm sido levadas a cabo pelo MITESS, através da Direcção Nacional de Observação do Mercado de Trabalho (DNOMT), visando a melhoria do SIMT, que passam pela definição e desenvolvimento de indicadores que permitam acompanhar as tendências do mercado de trabalho.

De acordo com a directora nacional de Observação do Mercado de Trabalho, Assa Guambe, o encontro visava sensibilizar os intervenientes na produção de estatísticas de trabalho no sentido de fornecerem dados importantes para o cálculo de indicadores que permitam a avaliação do mercado do trabalho.

“Os dados são do interesse de todos os intervenientes pois permitem acompanhar o comportamento do mercado do trabalho”, disse Assa Guambe, que também se referiu aos objectivos que se pretende alcançar depois do encontro com as fontes-chave de dados do mercado de trabalho.

“No fim, esperamos melhorar a nossa articulação e garantir maior fluidez de informação, quantitativa e qualitativa, que permita conhecer o comportamento do mercado de trabalho, e, por via disso, tomar decisões relativas ao sector”, explicou a directora nacional de Observação do Mercado de Trabalho.

Por seu turno, o representante da Organização Internacional do Trabalho (OIT) em Moçambique, Coffi Agossou, afirmou que a recolha deste tipo de informação permite aferir o grau de implementação das políticas ligadas ao emprego no País.

Igualmente, “tendo informação relevante, é possível influenciar outras políticas ligadas ao emprego. Por isso, é importante que seja disponibilizada e analisada por todos os intervenientes”, considerou Coffi Agossou, referindo-se à relevância do SIMT.

Entretanto, segundo o representante da OIT em Moçambique, a informação sobre o mercado de trabalho não é só importante para o País, mas também para as organizações de que é membro.

“Por exemplo, Moçambique é membro da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), da União Africana (UA) e de outras organizações, e como tal, tem a obrigação de disponibilizar informação sobre o mercado de trabalho a estes organismos”, concluiu.



fonte: @verdade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *